sexta-feira, 25 de julho de 2008

[Cada poema é o graal]

Cada poema é o graal
reencontrado
eterno manjar
redescoberto

4 comentários:

Crystal disse...

Gosto de poesia assim, pequenina e no entanto, sem tamanho...

jorge vicente disse...

este é o teu melhor poema, xavier. custaram alguns dias de blog, mas descobriste o segredo.

é por isso que a poesia é tão perigosa.

senão vejamos:
- é o graal;
- é o animal de poder (ou animal-totem) de todas as civilizações;
- até o platão teve medo dela porque senão a tinha colocado na República.

e etc. etc.

Xavier Zarco disse...

Cara Crystal,
Costuma-se dizer que o tamanho não importa. Não Poesia não importa mesmo. O que se lê e sente ou pensa faz toda a diferença do mundo.
Um beijo
xavier Zarco

Xavier Zarco disse...

Camarada Jorge,
São poema mais velhos do que eu, estes que tenho posto aqui. Aliás, creio que eu, embora os tenha escrito, não nasci antes deles, no sentido de que toda a Poesia é intemporal. O leitor, esse poderá valorar o que um determinado autor escreveu com maior lucidez do que o próprio autor. Fico assim satisfeito por teres descoberto o meu poema, mesmo que esse poema não seja o tal que eu considere como sendo o melhor.
Um abraço
Xavier Zarco