quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

[acendi um cigarro]

acendi um cigarro

senti que estava a despertar
uma história antiga

do fumo
que ondulante ascendia
retirei
o esboço dos teus cabelos

de súbito
a tua face
o sorriso exposto
de uma noite de luar

mágico e sereno

como este rio
que se espreguiça em seu leito

e as tuas mãos
de seda e linho

capazes de afagar o vento
de lhe descobrir o corpo

que na constante fuga se oculta

1 comentário:

Menina_marota disse...

Fumar faz mal... ;) para além de deixar o perfume errado nas mãos...

mas com este "fumo" se fez poesia.
Gostei.